Archive for julho \11\UTC 2009

Droga, que merda!

11/07/2009

O Lucas estava assistindo TV e alguém falou “Que droga!”. Ele veio correndo me falar:

_Mãe! Mãe! Ele falou droga! Ele falou droga na televisão!

_Filho, droga não é uma palavra bonita, mas não tem problema falar.

_Ah, é! É merda! Eu confundi. É merda que não pode falar, né mãe? Merda, né? Merda. Merda, né mãe? Achei que droga era merda.

¬¬

Anúncios

Física e infância

01/07/2009

Estava no parquinho com as crianças observando elas brincarem. E corre para cá, e corre para lá, e corre para acolá.

Um dos disputados balanços ficou livre quando uma das crianças desceu dele correndo para subir no tobogã, Lindoca correu até o brinquedo recentemente desocupado e logo começou a se balançar.

Ela segurando as correntes firmemente esticadas inclinou o balanço para trás enquanto dobrava os joelhos, soltou o corpo e deixou a gravidade e a inércia fazer o resto, quando o balanço alcançou o ponto mais alto ela esticou as pernas para cima, colocando mais energia no movimento que começava a retroceder. Rapidamente ela encolheu as pernas fazendo com que os pés ficassem abaixo do quadril, tão próximo do chão que parecia que as pontas dos pés tocariam o chão atrapalhando o movimento, mas a posição era perfeita, quando a energia do movimento começava a perder para a força da gravidade a jovenzinha habilidosamente jogava os pés de encontro ao chão, empurrando o seu corpo e o brinquedo mais acima, em seguida esticava novamente as pernas para ajudar no movimento de ascensão.

E ela repetia esse movimento com perfeição, sem interrupção, com ritmo e com uma graciosidade mecânica. Gravidade, energia, inércia, gravidade de novo, inércia e então começava tudo de novo.

Pensei nas minhas aulas de física, e em como toda essa brincadeira gostosa de movimento e velocidade seria um dia, transformada em algo desinteressante e maçante por algum professor ou pela responsabilidade de um vestibular. Crescer às vezes é muito chato!